Sempre tive uma relação muito próxima com a música. Aliás, foi ela, a música, que com certeza me encaminhou para a fotografia. Confuso, não? Um dia quem sabe falo mais sobre isso.
Nessa minha jornada conheci muitos músicos talentoso, mas poucos com a estirpe de Pedro Freire. Poder fotografa-lo ao lado da sempre doce e sorridente Jú, foi inspirador em diversos sentidos, afinal não são todos os casais que topariam a ideia de se fotografar em lugar que foi descrito por mim da seguinte forma: “É lugar feio, mas tenho certeza que as fotos vão ficar bacanas”.

Esse é meu desafio, afinal acredito que toda fotografia tem o poder de tornar o ordinário em algo extra ordinário. É só alinhar os elementos: Olho, cabeça, coração  e uma boa canção!

COMENTÁRIOS